Páginas

novembro 20, 2014

Foi Gaia que me deu

Estou longe de ser blogueira profissional ou coisa que o valha, muito menos tenho a aspiração. Sendo assim, não é hoje que vai chegar caixinha com produtos de beleza em troca de uma breve puxação de saco para alguma marca.
Entretanto eu tenho lá minhas trocas de favores, mas meu assunto é direto com Gaia, não com social media, o que me faz sentir um pouquinho mais íntegra nesse trabalho.
Há algum tempo entrei em um processo longo e cheio de nuances envolvendo auto-cura, reverência, gratidão e amor, mas que acredito que pode ser resumido em "virei uma hippie maldita". Quando me mudei para um lugar maior logo me prestei a cuidar de plantas e venho sentindo um verdadeiro prazer nisso. Não tardei em receber presentes por causa disso. Minha Espada-de-São-Jorge veio de uma amiga que lembrou que a tinha na varanda de casa, esquecida e sem água há algum tempo. Chegou murchinha, caída, meio amarelada. Mas não tardou a ficar bonita, erguida e verdinha quando recebeu amor e cuidados (inclusive beijinhos do Leon). 


Hoje me deparei com um presente maior ainda. Indo passear com a cria, estava em dúvida se seguia para a direção norte ou para o sul. Em um ímpeto, meus pés foram indo pro norte, vamos nessa. Não estava muito distante de casa quando notei essa plantinha caída dentro de uma caçamba. Seu vaso estava quebrado, acredito que a jogaram fora só por isso, pois ela mesma estava linda, verde e saudável. Eu estava com um bebê de doze quilos no sling, então tive que pedi ajuda para pegá-la, só para então entrar em uma odisséia para encontrar um vaso. Rodei a quadra inteira com olhos de lince, tentando achar um vaso grandinho para a minha amiga residir, tudo sob protestos do Leon, que não queria ficar no chão e tampouco no sling. No fim acabei indo a uma loja e comprei um balde para dar um jeito temporário nisso. Consegui reaproveitar a terra que estava no seu vaso antigo, pelo menos. E agora ela está assim, trazendo alegria pra minha sala, ao lado do meu altar. Já recebeu uma lufada de boas vindas de incenso de eucalipto, já recebeu mãozinhas de neném enfiadas na sua terra, já até descobri seu nada lisonjeiro nome: Pau D'água (ou dracena de venus, que é como vamos chamar, ok?). Que seja muito bem vinda. ♥




Nenhum comentário:

Postar um comentário