Páginas

maio 04, 2014

Um ano

Há exatamente um ano - não "exatamente" pois isso foi escrito com o delay preguiçoso de quem passou os últimos dias comendo coxinhas que sobraram da festa, mas valores exatos causam mais impacto - eu passei o dia em outra dimensão, lá na tal da partolândia, no gostoso contraste entre "QUERO MORRER ME TIRA DAQUI NAO QUERO MAIS ESSE CORPO CADE MEU DANONINHO" e "SOU UMA LEOA POSSO PARIR OITO CRIANÇAS AQUI E AGORA", também conhecidos como contração e intervalo entre contrações. Após onze horas pulando nessa corda, acabei na faca e conheci meu primogênito enquanto tremia involuntariamente sem conseguir mover as pernas. (história que pode ser lembrada aqui
Esse primogênito cresceu, desenvolveu suas funções cognitivas e motoras de maneira saudável, não foi morto por negligência da mamãe ou do papai (ufa), não teve seus dedos quebrados enquanto vestíamos a roupinha (tão pequenininhos!), não engasgou com pedaço de fruta como previu a bisavó e chegou ao incrível número de 1 ano de vida. Não "passa rápido" como dizem as velhinhas que nos param na rua, demora como o diabo e a única coisa que você consegue pensar quando tem que sustentar todo o corpo daquela coisinha mole com três dias de vida é quando é que vai começar a andar. Apesar de vagaroso, não foi de maneira alguma cheio de tédio. E compartilho aqui os pontos importantes desse um ano de maternagem e encontro com o outro:

Interação com animais

 O que deve ser um animal aos olhos de um bebê, não é mesmo? Intrigada, sempre tentei aproximá-los. Moro logo em cima de um petshop que pratica a cruel atividade de manter filhotinhos em uma gaiola à disposição da criança ranhenta que vai encher o saco do pai para comprá-los, então as visitas aos cachorrinhos são frequentes. Na primeira vez o latido o assustou, a lambida o fez chorar. Hoje em dia ele começa a gritar "uauauau" quando passamos ao lado do estabelecimento. Existe também uma curiosidade por gatinhos e passarinhos, e uma interrogação grande ao assistir vídeos de baleias. Ele também gosta de fazer carinho em árvores e comer abelhas.


Interação com pessoas

Que desgraça é para uma mãe introspectiva ter um filho simpático e fã de atenção, ou como se diz na minha língua, com o sol na quinta casa. Desde que começou a conseguir focalizar algo a mais de um metro de distância ele sorri para estranhos na rua, que prontamente vêm falar com ele, me usando como o veículo de comunicação. Não nego que acho uma gracinha ele ser todo sorrisos para os outros e noto que parte disso vem da segurança que ele sente em estar andando no sling comigo, mas eu poderia ser menos interpelada, né? E aí ele aprende a dar tchau, jogar beijos e o cenário só piora cada vez mais. 

Machucados

Existe uma coisa que é tão certa quanto a chegada do sol ao amanhecer: seu filho vai se machucar. Vai sangrar. Vai sentir dor. E não há nada a se fazer com relação a isso além de sentir na própria pele e agonizar junto. Leon nunca se machucou a ponto de sangrar, mas todas as vezes em que caiu da cama já me prepararam para esse dia, acho. Ele se aventurava demais nas beiradas quando começou a engatinhar, quase todo dia era uma queda. Por sorte a cama é estilo fouton e a queda nunca é alta demais, mas quando ele dava cabeçadas doía na alma. Um dia acordamos com o barulho dele se estatelando no chão, um dia fui jogar a fralda no lixo e ele resolveu abraçar o piso, um dia... foram tantas vezes que poderia fazer um ranking com as melhores. Nunca vencerá meu irmão que caiu da cama de cabeça em uma barata, matando-a no golpe, porém. 

Noites em claro

Não sei o que é isso. Próxima.

Viagem de avião

Tendo parentes em todos os cantos do Brasil, elas infelizmente precisam acontecer ao menos uma vez ao ano. Com um ano de vida o bebê já visitou o sudeste e o norte, somando um total de cinco vôos, adicionando aí uns vinte anos a menos de vida pra mim. Eu odeio avião. O Leon odeia ficar parado. O Leon chora, eu estou tentando me concentrar para não entrar em pânico. O Leon exige que andem com ele, eu tenho chiliques quando o Isaac solta minha mão. O Leon caga na fralda e o Isaac vai realizar a tarefa hercúlea de o limpar naquele banheirinho minúsculo, eu penso "pronto, vamos morrer separados". 

Rolê

Não possuo um carro, então os rolês com o Leon se tornam um pouco restritos a um raio pequeno de alcance, mas eles eventualmente acontecem. Já fomos a show de jazz, show podreira na unb, eventos no calçadão da asa norte, ccbb, bar. Mas só para eventos assim de grande porte, depois que você tem filhos raramente continua sendo chamada para get-togethers intimistas e meu rancor com isso é grande. De qualquer maneira, ele vive duas fases nos rolês: o de encantador atiçador de atenções (nunca mais sofri de ansiedade social depois dele ufa) e o de saco de batatas adormecido. 

Moleira

Me tornei ateia a partir do momento que vislumbrei uma moleira pulsando. Não pode existir um ser divino que se preste a deixar que uma coisa dessas exista. É um acesso rápido ao seu cérebro, sem impedimentos. Ela pulsa, ela é mole, eu tinha calafrios tremendos ao encostar nela sem querer. 

Cocô

Um dos momentos mais legais de cuidar de alguém de maneira tão íntima assim é observar a olho nu os processos digestivos. O que entra vai sair. E às vezes sai em novos formatos, em cores engraçadas, às vezes sai o que você nem viu entrar. Uma vez encontrei um papel mastigado. Ri muito ao olhar os pedaços de milho, levei alguns sustos antes de notar que o vermelho era beterraba e o preto-azulado, mirtilos. Decretei o fim do onivorismo ao cheirar uma fralda com frango digerido. Eca. 

Hora de acordar

Que gostoso é acordar do lado de quem ama, não é mesmo? Ao menos que você, num ímpeto de realizar as tarefas não-realizáveis com um bebê acordado, tenha ido dormir às quatro da manhã e seja acordada com uma mistura de mordidas, bunda na cara, puxões de cabelo e gritos no ouvido. Regalia que se estende a quem estiver compartilhando a cama com ele, no caso há um revezamento entre maltratar a mamãe e maltratar o papai. Ao menos é um despertador efetivo para os pedaços de pedras que somos nós. 

Vazamento de fralda

Acontece vez ou outra quando se opta por fraldas de pano. Quando esta não se ajustava bem ao seu bumbum de recém-nascido, fomos banhados por merda incontáveis vezes. Queria um dia voltar ao desprendimento moral de não se importar com suas excreções e se importar menos ainda se elas estão sendo jorradas em cima de alguém que te ama. Ah, o que a sociedade faz conosco. 

Expressões faciais

Começou com sorrisos-espasmo ao sonhar, se transformou em sobrancelhas levantadas, sorrisos voluntários, risadas. Hoje em dia o leque de expressões é incrível, dentre elas a preferida do momento é "mostre os dentes e franza a sobrancelha de maneira intimidadora". 


que fase!

Um comentário:

  1. parabéns pro leãozinho por esse um ano de aprendizado e lindeza. e parabéns pra você e o pro isaac por serem pais tão maravilhosos. desejo muita alegria na vida dos três ♥

    ResponderExcluir