Páginas

maio 06, 2014

19 Coisas Que Eu Queria Que Houvessem Me Contado Antes Dos 20 De Modo Que Eu Não Perdesse Uma Década

Há um tempo atrás o Raine compartilhou esse link. Achei maravilhoso e tão edificante que deveria ser compartilhado com o maior número possível de pessoas. Então me dei ao trabalho de traduzir (o que foi relativamente complicado, devido à linguagem um tanto poética da moça) e deixo aqui com todo o amor do mundo para quem quiser ler, reler, copiar, enviar. ♥


19 Coisas Que Eu Queria Que Houvessem Me Contado Antes Dos 20 De Modo Que Eu Não Perdesse Uma Década

 uma lista-poema para garotas da classe trabalhadora que estão tentando crescer para fora e para dentro.


1. Não há problema em abandonar qualquer pessoa ou qualquer lugar que te façam sentir uma merda. É difícil, mas não tem problema. E que se dane ter que explicar qualquer coisa para qualquer um, ao menos que seja sua vontade. Deixe-os pensar o que quiserem. 

 2. Saiba quem diabos você é. Essa não é só uma dica sentimentalóide-fofinha-bonitinha, mas saber quem você é racialmente, culturalmente, na sua relação com a própria sexualidade, gênero e classe é sua fonte de poder. Você quem determina isso. Não deixe ninguém mais dizer quem você é. Isso pode mudar com o tempo, conforme você cresça e aprenda mais. E tá tudo bem.  Lide com qualquer vergonha ou culpa que você sentir através de atos de questionamentos.

 3. Seja responsável pelo que você faz. Isso significa reconhecer quando você faz merda assim como significa se apropriar, defender e contestar o espaço que ocupa. Você vai fazer merda, e só você pode buscar reparação para isso. Você vai precisar se defender, e raramente alguém vai fazer esse trabalho pra ti.  É igualmente importante reconhecer tanto os seus erros como os seus direitos. 

 4. Vão te chamar de louca. Você é uma mulher. Não há jeito de viver no mundo nesse momento em que estamos e não ser chamada de louca por alguém, geralmente alguém que você gostaria que te visse como profundamente sã. Você não é louca. O mundo é que é fodido. Se você é afetada por esse mundo desequilibrado e injusto, isso só prova que é um ser senciente com algum senso de empatia. 

5. Empatia é construída. Você precisa aprender a REALMENTE ouvir. Isso significa ouvir sem pensar em como isso se relaciona a você, ou sem pensar na próxima coisa que irá dizer. Isso significa enxergar qualquer um, independente de quem seja, como um ser humano. Você não pode ser um ser humano ao menos que considere todos como sendo também, até o seu maior inimigo e até os criminosos mais graves. Todos os nossos traumas vêm de algum lugar. Tanto os seus quanto os dos outros. Aprenda a ouvir os outros. Aprenda a ouvir a si mesma. Empatia não pode existir sem aprender a ouvir de verdade primeiro. 

 6. Você vai experienciar momentos de dor insuportável. Demora um tempo até aprender a se curar. E a cura às vezes deixa cicatrizes. Às vezes a cura é incompleta. Pense nas suas marcas como cicatrizes de guerra - a evidência de quão mais sábia você é agora - mapas de onde não voltar. Afague essas cicatrizes e as honre. Haverá um momento em que elas serão seu único lembrete de onde você esteve e o quanto ainda precisa crescer.  

 7. Você vai experienciar momentos de solidão insuportável. Você precisa aprender a amar sua própria companhia, porque no fim das contas ninguém tem o potencial de te amar como você mesma consegue. É lindo amar e ser amada, mas essas são apenas sugestões quanto à forma de encarar a si mesma. Se você aprende a prezar por si mesma e a transformar solidão em um isolamento tranquilizante, você vai ser capaz de dar e receber amor verdadeiro e transformador.  

 8. Ache algo que te faça sentir como se o mundo fizesse sentido, mesmo que seja algo que não consiga justificar intelectualmente pra você mesma ou para mais ninguém. Pessoalmente, se eu não levantar, transar, dançar, ler um bom livro, escrever um poema, ouvir um cd fenomenal ou ter uma conversa satisfatória e que toque minha alma pelo menos uma vez na semana, o mundo não faz sentido e  eu fico estagnada. Se eu não faço essas coisas em um mês, eu me torno uma total, inconsolável e incompreensível desordem. Essa desordem pode facilmente virar uma bola de neve e ir de encontro a todos os tipos de auto-destruição. Ache o que funciona para você e seja fiel à isso como uma maneira de honrar a si mesma.

 9. O mundo em que você vive é doente. Essa doença rasteja até dentro de todos nós, e em muitos se manifesta como uma incapacidade de se amar, muito menos os outros. Alguns desses infectados com a cepa parasitária da doença vão se aferrolhar em você como hospedeira. Você vai acreditar que é parte da sua natureza cuidar e apoiar interminavelmente. Essas pessoas vão comer todo o seu amor - e você junto - e te deixar só com uma casca. Você pode crescer novamente dessa casca, mas vai ser difícil, e isso leva tempo e muito treinamento na base da traição e desgosto para aprender a confiar em si mesma o suficiente e determinar quem é digno da sua confiança. Não deixe ninguém montar em você. Só ande com aqueles que irão caminhar ao seu lado, como semelhantes. 

 10. Não faça sexo com quem não priorize o seu prazer, e isso pode significar um milhão de coisas diferentes que você provavelmente ainda está tentando descobrir. Não perca seu tempo com parceiros que não te deem espaço para explorar, se expressar, e acima de tudo, se seu parceiro só está focado em te usar como uma ferramenta para atingir seu prazer, caia fora. Isso não significa ignorar o prazer do seu parceiro, mas sim ter o seu tratado como igualmente válido.

 11. Você não é responsável pelas ações daqueles que se odeiam tanto que acabaram te machucando de propósito.

 12. Coletivismo é um conceito lindo e algo que merece uma constante busca e edificação. Coletivismo já mudou radicalmente e desafiou estruturas e instituições injustas. Mas se você sacrifica sua própria sobrevivência para o benefício de todos, você vai se achar torcendo as mãos, questionando o sentido da sua vida e duvidando do valor dos outros além do seu inabalável interesse próprio. Ache um equilíbrio.

 13.  Não leve nas costas pessoas danificadas que não estão no processo de se reedificar. 

 14. Você não é o seu trabalho. O seu trabalho é simplesmente um salário, e você provavelmente não é compensado pelo que vale e isso não é sua culpa - você herdou um sistema econômico doente e não vai ser o primeiro da sua geração a lutar pelo direito de viver. Mas você precisa lutar pela porra do seu direito de viver - solidariamente, com aqueles ao seu redor que também estão lutando. 

 15.  Ir para a faculdade é uma realização. Isso, no entanto, não te faz melhor que ninguém. Não te faz essencialmente mais inteligente.  Você nunca vai realmente sair do estado em que você estava e também nunca realmente entrará no estado que aspira estar.

 16.  Se você não consegue transladar o que você aprendeu no passado, de onde quer que você tenha vindo, então você não ganhou nada - você mudou. Assimilação é uma escolha. Procure ser uma tradutora. Procure compartilhar sua viagem com aqueles que você pode ter deixado para trás. Procure romper as estruturas que nos ensinaram que aqueles de nós que ganharam mais acesso são mais valiosos agora do que eram onde começaram e menos valiosos do que a realidade em que nos encontramos.

17. Nunca leve validação tão a sério. Isso é especialmente verdade para aqueles de nós que vieram impregnados na era das redes sociais. A contemplação da supremacia está sempre em nós. Encontre na validação a proporção entre quão positivamente você se impacta nos outros versus quão você sacaneia e machuca os outros. Você vai machucar os outros. Seja responsável por isso quando precisar ser, e tenha sempre em mente quão frequentemente isso acontece em relação àqueles que te ajudam a crescer. Nenhum de nós pode ser santos, mas podemos ser salientes e sencientes.

 18. Leve sua luta à sua comunidade e encontre uma comunidade naqueles em que suas lutas se cruzam. É  apenas em contato com o outro que vamos ter noção desse mundo destruído e ideologia corrompidas que herdamos. Lute. Lute. Lute.

 19.  Você é inerentemente valiosa. Você tem valor. Não peça o consentimento de ninguém para isso.

5 comentários:

  1. o décimo-nono é algo que eu, até hoje, com mais de trinta anos, não consigo enxergar.

    ResponderExcluir
  2. massa! boa leitura pra mim que tô meio assim... ainda procurando um norte.. rs

    ResponderExcluir
  3. ops, até confirmar já tinha mais comentário haha o.O 19 é: impossível ♥

    ResponderExcluir
  4. estava precisando... e de tudo isso retiro uma frase para levar para vida: O mundo é que é fodido!!!

    dentrodabolh.blogspot.com

    ResponderExcluir