Páginas

abril 12, 2014

As Pessoas da Semana IV



Fui comer em uma torteria que fica ao lado de casa. Como estava apenas com o Leon e era muito cedo pra ele se sentir confortável para emitir sons, acabei naquele estado em que sem-querer-querendo fico ouvindo a conversa dos outros. Atrás de mim estavam três homens. Provavelmente trabalhavam juntos em alguma empresa de publicidade ou design ou coordenação de festas infantis. Começaram a falar sobre uma cliente e Monster High, mas em termos bem profissionais mesmo. Até que um comenta: "é bem legal a ideia desse desenho, né? as meninas são filhas de monstros, acho muito criativo, bem melhor que princesazzzzz dizzzney". E se passam uns dois minutos de três marmanjos falando sobre Monster High. Achei muito legal, afinal eles trabalham com isso. Sempre sinto que quem trabalha com coisas infantis tem um ar de "é só pra ganhar dinheiro, sei nem o nome desse personagem". E então de alguma maneira duas palavras vêm à tona... "Hora da Aventura". Os três logo ficaram extremamente entusiasmados e começaram a falar sobre o lado obscuro do desenho e a comentar sobre easter eggs em episódios. A essa altura eu já esboçava um sorriso, poucas coisas são mais especiais do que ver adultos agindo como crianças entusiasmadas. Se acaso tivesse descoberto o nome do lugar onde trabalham, eu certamente iria indicá-los a quem precisasse.



Recentemente descobri a instituição do Parquinho. Explorando os arredores da quadra, achei um parquinho bem bonito e conservado, no meio daquele monte de prédio de ricos que calham de ser meus vizinhos. Comecei a levar o Leon lá e já me fascinei com várias figuras. A primeira delas foi uma menina de uns oito anos. Cabelão comprido, desgrenhado e uma camisetona do Nirvana. Ela queria brincar com os meninos, mas eles tiveram um desentendimento porque o irmão dela jogou areia neles e eles a culpavam. Então ela bolou um plano de vingança: fez um "X" na areia e espalhou o rumor de que seria um tesouro pirata. Enterrou um graveto ou qualquer coisa do tipo para frustrar os meninos quando fossem cavar. Assim que ouviram a história, se muniram das suas pazinhas e foram escavar. Um graveto. Buáá. E ela rindo, de longe.






Nenhum comentário:

Postar um comentário