Páginas

abril 19, 2013

As sujidades deram cor em mim.

"As sujidades deram cor em mim.
Estou deitado em compostura de águas.
Na posição de múmia me acomodo.
Não uso morrimentos de teatro.
Minha luta não é por frontispícios.
O desenho do céu me indetermina.
O viço de um jacinto me engalana.
O fim do dia aumenta meu desolo.
Às vezes passo por desfolhamentos.
Vou desmorrer de pedra como um frade."


Aos oito meses de gravidez resolvi tirar fotos para eternizar o presente momento. Mas quis fazer sem pudores: nua, com barro e planta, o que me impossibilitou de compartilhar as fotos nas demais redes sociais, então o faço aqui. 
A beleza das fotografias são um oferecimento das queridíssimas Johanna pela sensibilidade artística e Danna por ser uma ninfa e residir em um lugar tão incrível. E do pequeno Leon, claro, por me deixar radiante de felicidade e mais bonita para a câmera.
Do barro ao Barros foi um pulo e esse poema não poderia se encaixar melhor no momento vivido. Porque às vezes o viver dá essas brincadas de morrer para nos fazer mudar de rota. 




























8 comentários:

  1. É tanta beleza, chega a emocionar.

    ResponderExcluir
  2. Perfeito, perfeita, perfeitos, tudo.

    ResponderExcluir
  3. ô sacha, cê é linda, tão linda, que dá uma alegria sabe?
    um trem assim, quase de chorar, com essa existencia tao bonita, que irradia um negocio tão sincero <3

    ResponderExcluir
  4. que peito feio do caralho kkkkkkk
    vou vomitar seu lixo

    ResponderExcluir
  5. parece uma orca no atlântico

    ResponderExcluir
  6. Tinha que ser gorda.

    ResponderExcluir
  7. Muito bonito! A última foto ficou uma coisa assim, meio ninfa! :) Lindo.

    ps: não liga para os haters fazendo body shame!

    ResponderExcluir